Arquivo da tag: OVNI

Registro de ocorrência de OVNI no Município de Divino – MG

Registro de ocorrência de objeto voador não identificado – OVNI

Sérgio F. Almeida

Clique na Imagem para ver croqui ampliado

Localização da ocorrência do fenômeno – O local em que se deu a observação foi aproximadamente aos 21 graus de latitude sul e 42 graus de longitude oeste, em área rural a uns 6 km da Sede do Município de Divino – MG.

Esclarece-se que a posição em que estavam os observadores do fenômeno, inclusive este que relata, fica precisamente sob a rota de voo de aeronaves comerciais de grande porte do trecho Belo Horizonte – MG a Vitória – ES que passam por ali, dependendo das condições climáticas, entre 6.500 e 8.500 metros tendo como “ponto de referência visual de voo” e ponto culminante do mesmo município o “Rochoso São João”, montanha de 1.580m. Esses dados serviram como referência para estimar as dimensões do objeto que estava uns 4 km ao sul do ponto de observação. 

Data e hora da ocorrência do fenômeno – 28 de agosto de 2020, as quinze horas e quinze minutos, com duração estimada de pouco mais de 5 minutos.

A observação propriamente dita – havia bastante sol e nuvens esparsas. Uma testemunha, trabalhador da construção civil, viu o objeto primeiro e chamou outras três pessoas presentes na área que atuam no mesmo tipo de serviço; inclusive este que relata. O objeto deslocava-se muito lentamente. Era sólido e parecia constituir um bloco único (peça única) de cor inteiramente branca. Não tinha luzes ou janelas aparentes – a distância não permitia ver detalhes -. Tinha um formato que lembrava um haltere (instrumento destinado a levantamento de peso / aumento de musculatura de uso em academias de ginástica) na posição em pé, ou seja, duas esferas (uma acima da outra) separadas por um tubo (ou fio muito espesso; esse detalhe chamava a atenção). Cada esfera deveria ter de 20 a 25 metros aparentemente e o tubo (fio) teria o comprimento equivalente de quatro a seis esferas. Se confirmadas as dimensões das esferas tal tubo ou fio teria uns 2 a 3 metros de diâmetro para mais. O conjunto (bloco único) deveria ter as dimensões aproximadas do dobro do comprimento de uma aeronave Boeing 737-800 (maior modelo da série 737, com 39,5 metros) visto da mesma distância. Estima-se a altura da posição do objeto de 1.800 a 2.000 metros. Saiu detrás de uma montanha próxima até se esconder atrás de outra ficando nesse meio tempo atrás de uma nuvem, por instantes e reaparecendo do outro lado da nuvem. Uma das testemunhas (havia chegado uns minutos antes deste que relata) informou que em um determinado momento o objeto pareceu refletir a luz do sol; complementou ainda que lhe pareceu que a esfera que estava embaixo girava para a direita e que a de cima girava para a esquerda. Essas duas situações não foram observadas / confirmadas por este relator. 

Comentário deste relator – O movimento do objeto era lento o suficiente para que se imaginasse por um momento que o objeto pudesse estar parado em um ponto da atmosfera e a Terra girasse – continuasse seu movimento de rotação – abaixo dele. No entender deste relator essa situação seria tecnicamente possível se os referenciais para manutenção do “estacionamento” do objeto no ar estivessem provavelmente fora do planeta ou então, isso seria possível, por meio de mecanismo de controle orbital do próprio objeto o que pressupõe tecnologia sofisticada para ambos os casos. Durante a observação especulou-se entre as testemunhas que o objeto poderia ser um balão. Posteriormente pesquisou-se sobre os mais variados tipos de balões, mas descartou-se essa hipótese em função de que a navegabilidade do objeto não se coadunava com a flutuação naquela localidade em decorrência do regime dos ventos típicos da região além das dimensões do objeto serem bem superiores aos de um balão. Por mais suaves que sejam, os movimentos de balões possuem certa variabilidade em função exatamente da força do vento que incide sobre ele o que, no caso, provocou simultaneamente à observação, um deslocamento relativamente rápido da nuvem que o encobriu por não mais que um minuto – no máximo um minuto e meio – e, no entanto, ele (o objeto) continuava parado lá ou em muito lento deslocamento até desaparecer por trás de uma montanha. 

Conclusão – Por ser praticamente impossível a determinação clara da natureza do objeto caracteriza-se o caso como mais um objeto (voador) não identificado.

Relator: Sérgio F. Almeida

A NOITE 19 DE MAIO 1986

“…Cheguei perto do alvo, posicionando-me a cerca de seis milhas de distância dele, o que ainda é longe para que possa haver uma verificação precisa, ainda mais à noite. O alvo parou de se deslocar na minha direção e começou a subir. Eu não perdi o contato radar inicial e passei a subir junto com ele. Continuei seguindo o contato até cerca de 30 mil pés, quando perdi o contato radar e fiquei apenas com o visual. Mas, naquele momento, aquela luz forte já se confundia muito com as luzes das estrelas…”

Este é o depoimento de um dos pilotos de combate da FAB acionados para interceptar contatos não-identificados que invadiram nosso espaço aéreo em 19 de maio de 1986. Vinte anos se passaram desde aquele enigmático episódio, sem que explicações mais conclusivas tenham sido apresentadas sobre o assunto. O que realmente teria acontecido naquela noite de outono?

Mariana Raad

Continue lendo A NOITE 19 DE MAIO 1986

O MISTÉRIO DOS DISCOS VOADORES

Autor Drew Pearson *
WASHINGTON, via-rádio — Embora grande parte do público norte-americano pareça convencida da existência dos discos voadores, a Força Aérea ainda não conseguiu ver um só, apesar de haver investigado não só êste assunto como outros relacionado com Vênus, estrêlas cadentes e até uma lata velha arrastada pelo vento.
Quem isto escreve teve oportunidade de examinar os arquivos da Fôrça Aérea e pode afirmar que esta realizou uma tarefa minuciosa no seu empenho de descobrir a verdade. Continue lendo O MISTÉRIO DOS DISCOS VOADORES

Torne eficiente e saudável sua investigação de campo

Foto do pesquisador Flávio no Morro da Baleia – GO

É interessante refletirmos acerca da preparação para uma vigília ufológica, da mesma forma que nos demanda alguma reflexão observações do céu, ou quaisquer outras observações de fenômenos naturais. Continue lendo Torne eficiente e saudável sua investigação de campo