A contribuição das ciências sociais para o tema OVNI* (1)

Por Wilson Geraldo de Oliveira

Serão apenas as ciências sociais que oferecem a possibilidade de leituras e reflexões, para o entendimento do tema OVNI/UFO? É certo que não!

Através das ciências naturais e das tecnologias, também podemos perceber contribuições significativas, demonstrando um enorme potencial investigativo. Não vou listar aqui os trabalhos reflexivos voltadas às ciências do espaço, astronomia, astrofísica e exoxiências em geral; as interfaces de análises que se utilizam do conhecimento da química, física e a biologia, sobre materiais físicos recolhidos em campo podem ser reunidos e certamente contribuirão na compreensão do problema. Temos  o desenvolvimento de metodologias de simples coleta e análise de dados; o desenvolvimento de tecnologias, sua adaptação e sua aplicação para o registro fotográfico e videográfico, bem como a análises destes registros.

No conjunto temático decorrente do fenômeno ufológico, estão as narrativas de contato com extraterrestres, às quais estão quase sempre acompanhadas das ocorrências de interações/observações de UFOs/OVNIs. Esse conjunto, que pode-se dizer, indissociável, narrativas, interações e observações, representam uma parte significativa dessa temática, mas o conjunto é ainda maior.

Podemos dizer, no entanto, que as ciências sociais e humanas juntamente com o olhar analítico das ciências naturais e das tecnologias sobre esse conjunto temático, ressentem-se de uma abordagem no mínimo multi e interdisciplinar.

Ou seja, tanto as ciências sociais e humanidades, como as ciências naturais e suas tecnologias, têm muito a contribuir com este estudo. E de forma muito especial, conjuntamente. Tal como o campo de estudo do turismo que “busca uma evolução para a prática transdisciplinar” (DENCKER, 1998), essa é uma perspectiva metodológica e epistemológica que se abre para a compreensão de temas que extrapolam muitas vezes os campos especializados das ciências.

As ocorrências ufológicas e as narrativas de contato com extraterrestres, não têm sido uma realidade concreta de pesquisa, no cotidiano das ciências de um modo geral. Penso que em grande medida por dificuldades metodológicas. Mas não somente por isso.
Elas representam, no conjunto, apesar das restrições do método, uma temática de pesquisa e uma prática construída e defendida pelos ufófilos e ufólogos como um movimento social de grande valor reivindicatório. Formam, portanto, o conjunto das relações materiais que o tema enseja. As narrativas de contato podem ser objeto de pesquisa, estudo, reflexão para as ciências sociais e humanas, inclusive, independente das interações/observações concretas. Podemos dizer o mesmo das ocorrências em si e dos registros físicos do fenômeno para as ciências naturais e suas tecnologias. Mas a fertilidade de resultados está na interação destas perspectivas. A natureza do tema assim o exige.

No excelente livro “Pesquisa em Turismo” de Alda de Freitas, no cap 2 “A interdisciplinaridade na pesquisa em turismo”, ao citar os objetivos do conhecimento científico, diz ela: “O homem procura conhecer a realidade para poder agir sobre o rumo dos acontecimentos. Por meio das ciências físicas e naturais o ser humano procura controlar a natureza e pelas ciências sociais busca prever os acontecimentos e projetar novos cenários sociais por intermédio de ações de planejamento.

Serão as possíveis dificuldades metodológicas das ciências decorrentes do fato de não poder controlar a natureza, ao lidar com as ocorrências ufológicas (OVNIs)? Sua existência já é há muito inquestionável. Porém, é fato que até o momento esses fenômenos têm se mostrado incontroláveis. Não se trata de fenômeno passível de reprodução ao sabor da vontade e dos recursos técnicos do pesquisador. Embora não se possa ainda conhecer sua natureza, sabe-se, por observação,  que têm vontade própria. Estará aí o desafio?

O fenômeno ufológico em si, é questionador de nossos referenciais, face às interações e interpretações humanas levantadas a partir da práxis. As observações e narrativas falam de uma natureza inteligente, de um outro, que além de ser fugidio e enigmático, trás o pressuposto de ser de origem diferente. Se não é possível o foco direto, o controle de certas variáveis imprescindíveis à experimentação e análises científicas, e a observação, com que ferramentas conceituais será  possível falar de nós em relação a esse outro?

A inspiração das ciências sociais
Inspira-nos a preocupação da Antropologia sobre o pensamento humano. Lembrando a perspectiva apontada por Roberto Cardoso de Oliveira, em como ela se renova e torna-se um campo privilegiado de indagação. A pesquisa empírica e a reflexão teórica se articulam e juntas buscam desvendar o enigma: até que ponto a sociedade se “reproduz” ou se representa, no pensamento?

É e será de fundamental importância também a teoria marxista. Tanto o pensamento marxiano quanto as obras que vêm depois de Karl Marx e formam a teoria marxista, um conjunto riquíssimo de ferramentas de análises.

As “lutas de classes” como demonstra Domenico Losurdo em “Luta de Classes”, recentemente publicado pela editora BoiTempo, estão cada vez mais presentes em nosso tempo. Mais do que um conflito entre proprietários e trabalhadores, esse plural significa “a exploração de uma nação por outra”, “a opressão do sexo feminino pelo masculino”, “as lutas contra a segregação racial”, “as lutas anticolonias”, “pela preservação da cultura e autonomia dos povos indígena”, pelo respeito a autodeterminação dos povos e nações.  E no que respeita às especificidades de nosso tema,  as lutas  em prol da investigação, pesquisa e estudo acadêmico do tema UFO/OVNI;  A luta contra o sigilo de informações de natureza ufológica. Além, é claro, do incentivo aos estudos dos problemas sociais que podem representar o reconhecimento de outras formas de manifestação da vida inteligente, extraterrestre ou não; de como pensamos e agimos face a iminência de acontecimentos impactantes de nossos referenciais, como a possível constatação de outras formas de manifestação da vida. Acontecimentos que extrapolam as nacionalidades e nos coloca frente a problemas de vulto planetário e interplanetário. Onde as filosofias controladoras da modernidade oferecem pouco resultado. Talvez seja mesmo necessário beber p.ex. nas fontes  libertárias do pensamento latino-americano e construirmos juntos novos referenciais de análise.

Sem desprezar nossas tradições, o saudoso Prof. Roberto Cardoso de Oliveira, em artigo na Série Antropológica nº 29 fala da noção de categorias como centro do pensamento sociológico (sec. XIX) e localizando essa noção historicamente, vai indicar autores como Mauss, Durkheim, Claude Lévi-Strauss, Louis Dumont, estes dois últimos herdeiros da mesma tradição intelectual que tratam a “temática das categorias do entendimento” (CARDOSO – 1982). E se é de entendimento que precisamos,  será a esta temática e a esta e outras linhagens intelectuais, bem como aos seus herdeiros, que inevitavelmente recorreremos na busca incessante de compreensão da realidade.

Muitas linhas teóricas, clássicas e modernas enriquecem o arcabouço teórico fundamental para tratar assunto tão vasto e de tamanha universalidade e impacto na vida de todos nós como é o tema UFO/OVNI. É a Vida  em um contexto de relações complexas como nunca se viu.

Se o assunto é relativamente novo, certamente vai precisar de  novas categorias, mas também de métodos suficientemente fortes, persistentes e presentes. É da fertilidade das tradições teóricas das ciências sociais e humanas que nos fala o Prof. Roberto Cardoso de Oliveira. Para ele, a abordagem de Mauss em relação à noção de pessoa e seus desdobramentos em relação a outras categorias, associam-se a “modos de pensar em comuns e modos de agir em comuns” para os diferentes grupos humanos como “uma relação esquecida pelos sociólogos”. (…) “Essas modalidades de pensamento, por serem dentre as representações coletivas as mais essenciais e eminentes ao conhecimento humano, como já dizia Durkheim e por serem igualmente inconsciente, tal como a língua o é para os seus falantes, como acrescentaria Mauss, constituiu-se numa dimensão privilegiada para investigação antropológica e permanece mesmo hoje de extrema atualidade”. (CARDOSO – 1982 – P. 10).

É buscando identificar sentidos para estes novos objetos e contextos, que haveremos de alcançar o entendimento para termos como: “contatado” em oposição ao termo “contatante” cuja síntese ou resultado nos remete ao “contato”.  Assim como também o termo “terrestre” e “extraterrestre” para o contexto mais amplo de relações entre planetas ou humanidades planetárias. Ainda que como noções primárias, estas categorias formem pares de categorias equivalentes e/ou correspondentes e até insuficientes. Elas nos sugerem perscrutar o espaço e o tempo. Reavaliar as noções que comunicam as dimensões existenciais.

A partir destas  categorias, as relações decorrentes apontam a possibilidades de tratar as narrativas como substrato de uma “situação de contato”. Situação esta que vem sendo gestada no pensamento social à medida que a fenomenologia da praxis se impõe.  De tal forma, as categorias de pensamento, me parece, tendem a tornarem-se cada vez mais intrínsecas ao cotidiano e abrangentes aos diversos coletivos humanos, na medida em que se intensifica o seu uso e compartilhamento.

As categorias citadas são muito comuns ao “movimento ufológico” (OLIVEIRA, 1995), a partir do qual esse tema tem alcance mundial. As categorias contatado e contatantes, terrestre e extraterrestre, tipologias, dimensões, hibridizações, espaço e tempo, etc, impulsionadas pela relação com o tema e com o fenômeno OVNI/UFO, tornam-se cada vez mais populares.

Vejamos, muitos são os tipos e lugares de ocorrência do fenômeno, no Brasil e no mundo. Em torno destes lugares, narrativas e eventos relacionados atraem turistas de todo o planeta. Um bom exemplo é o Museu Internacional de Ufologia em Roswell, New México – EUA.  No Brasil, o movimento ufológico, através de seus investigadores/pesquisadores e organizações civis, possuem, além de uma rede de locais relacionados ao turismo ufológico, uma série de materiais e documentos históricos que justificam a criação de bibliotecas e museus sobre o tema.

O pensamento que mobiliza o imaginário e vice-versa, seja através da cultura, da ciência ou das artes, leva-nos a revisar conceitos, noções e valores, que pensávamos, há muito consolidados. As noções de espaço, tempo, matéria, energia e lugar, mas também a noção de gênero, raça, evolução, liberdade, modernidade, colonialidade, tecnologia, informação, saber, sociedade, família, enfim, a vida e a dinâmica da diversidade e da mudança contínua.

Adiante, certamente trataremos pelo menos de algumas destas categorias e  veremos alguns contextos onde elas podem ser encontradas.

<<<<<Post ANTERIOR<>Ideia de raça<>PRÓXIMO Post>>>>>

Nota: O título “A contribuição das ciências sociais para o tema OVNI” pode levar o leitor a pensar nessa proposta como “a resposta das ciências sociais“. Vale lembrar que esta é uma pretensão demasiado grande para esse trabalho. Digamos que seja muito mais um apelo, ou um desejo de que as ciências sociais e também as ciências naturais tenham com mais frequência e disposição, como objeto de pesquisa, o tema OVNI/UFO. Essa tarefa de contribuir e de identificar tais contribuições é certamente de todos nós interessados no assunto. Aqui e nas próximas postagens, à medida em que vamos retomando o estudo, sinalizaremos com algumas contribuições cujos conceitos e linhas teóricas, penso que são fecundas para o estudo do tema OVNI/UFO de forma a ampliar nossa visão e sinalizar caminhos possíveis. Muitas contribuições acadêmicas estão publicadas em diversos formatos, como  teses, dissertações as quais apontam diagnósticos e caminhos teóricos. Precisamos nos apropriar destas contribuições. Muitas linhas teóricas e conceitos, que podem se constituir em ferramentas úteis, não estão nesse momento correlacionadas ao tema OVNI. Penso que cabe a nós como interessados, sem pressa e sem pretensões coloniais, descobrirmos e propormos as correlações que entendermos pertinentes ao debate.

Referências:

DENCKER, Alda de Freitas Maneti. “Pesquisa em turismo: planejamento, métodos e técnicas”, São Paulo: Futura, 1998

LÉVI-STRAUSS. Antropologia Estrutural. (1974)

LOSURDO, Domenico. A luta de classes: uma história política e filosófica. Tradução Silvia de Bernardins. – 1ª. ed. – São Paulo: Boitempo, 2015.

OLIVEIRA, Wilson Geraldo de. O Movimento Ufológico – Reflexo da necessidade de um modelo de compreensão da realidade. Dissertação apresentada ao Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília em 14/12/1995. Orientador: Prof. Martin Alberto Ibañez Novion

OLIVEIRA. Roberto Cardoso de, As categorias do entendimento na formação da Antropologia no 29 da Série Antropológica – 1982

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *