Escalas de Classificação: de Hynek & Outros

»Zero grau
➡ luzes misteriosas
➡ grandes distâncias

»Primeiro grau
O avistamento de um ou mais objetos voadores não identificados:
➡ discos voadores;
➡ Objetos voadores não identificáveis como feitos pelo homem.

»Segundo grau
Observação de um OVNI associada a outras percepções:
➡ calor ou radiação;
➡ danos ao terreno;
➡ círculos nas plantações;
➡ paralisia (catalepsia);
➡ animais assustados;
➡ interferência no funcionamento de máquinas;
➡ perda de memória associada ao encontro com o OVNI.

»Terceiro grau
➡ É a observação que Hynek classificou como a de “seres animados” em associação com os OVNIs. Hynek deliberadamente escolheu o termo vago “seres animados” de modo a descrever os supostos seres sem fazer qualquer julgamento de valor de como eles seriam. Hynek não necessariamente especificou esses seres como sendo “extraterrestres” ou “alienígenas”. Ainda, ele manifestou desconforto com os relatos existentes, mas sentiu-se obrigado a incluir a categoria para representar esta minoria que afirma ter tido os encontros.

A escala original de Hynek vai somente até o terceiro grau.
O pesquisador de OVNIs Ted Bloecher propôs uma escala de seis subtipos de encontros de terceiro grau da escala de Hynek:

(A) uma entidade é observada apenas dentro do OVNI;
(B) uma entidade é observada dentro e fora do OVNI;
(C) uma entidade é observada próxima ao OVNI, mas nem entrando nem saindo dele;
(D) uma entidade é observada e nenhum OVNI é avistado, mas atividades de OVNIs são relatadas na mesma área e momento;
(E) uma entidade é observada e nenhum OVNI é avistado, e nenhuma atividade OVNI é relatada naquela área naquele momento;
(F) nenhuma entidade ou OVNI é observada, mas o alvo experimenta alguma forma de “comunicação inteligente”.

»Quarto grau
➡ Um ser humano é abduzido por um OVNI ou seus ocupantes. Jacques Vallée, que trabalhou com Josef Allen Hynek, argumentou que um encontro do quarto grau deveria ser descrito como um caso onde “o observador passa por uma experiência de transformação de seu senso de realidade”, de modo a incluir casos de não-abdução taxados de simples alucinação ou sonho.

»Quinto grau
➡ Descrita por Steven M. Greer, engloba encontros onde há comunicação bilateral, espontânea, voluntária e proativa entre o observador e inteligência extraterrestre. A definição é similar aos relatos da década de 1950, onde pessoas afirmaram manter uma comunicação regular com alienígenas benevolentes.

➡ A natureza desta comunicação bilateral e deliberada é geralmente tida como (mas não necessariamente deve ser) telepática. O alvo geralmente diz não ter quaisquer super habilidades psíquicas prévias. Ao contrário da crença geral, nem todos os alvos identificam a fonte como sendo de origem extraterrestre, mas simplesmente de um mundo diferente do nosso.

»Sexto grau
➡ O ufólogo Michael Naisbitt propõe que o cenário do encontro de sexto grau existe quando um incidente com um OVNI provoca diretamente ferimentos ou a morte. Esta categoria tem sido considerada redundante, uma vez que a escala original de Hynek descreve o segundo grau como um encontro que deixa uma evidência física de qualquer tipo.

»Sétimo grau
➡ O Black Vault Encyclopedia Project propõe um encontro de sétimo grau como sendo um acasalamento entre um ser humano e um ser extraterreste (ver Caso Vilas-Boas), produzindo um ser híbrido, ou experimentos, ou talvez até a morte. O conceito é similar ao proposto pela teoria dos astronautas antigos como Erich von Däniken, Zecharia Sitchin e Robert K. G. Temple, onde extraterrestes interagiram e possivelmente influenciaram seres humanos no passado.[4]

O conceito deste sétimo grau não combina com os conceitos originais de Hynek, que especificamente evitou descrever os ocupantes dos OVNIs como “alienígenas” ou “extraterrestres”, levando em consideração que não há evidências suficientes para determinar a natureza física dos seres, ou mesmo seus motivos.

Sistema de classificação de Jacques Vallee

Sistema de classificação de Jacques Vallee para fenômenos não identificados

No artigo “Um sistema de classificação e Indicadores de confiabilidade para a análise do comportamento de fenômenos aéreos não identificados ” e também na obra Confrontations, Jacques Vallee apresenta ferramentas de diagnóstico para categorizar anomalias, falhas, manobras e encontros imediatos em cinco categorias básicas, desde algo no céu até a interação com entidades alienígenas a ferimentos permanentes e morte, conforme tabela acima.

Uma escala mais recente e muito utilizadaé a escala de 0º ao 5º graus:

https://tarrascao.wordpress.com/2009/07/22/tipos-de-contato-imediato-com-ets/

CONTATO IMEDIATO DE 0 GRAU (CI-0):
Luzes não identificadas observadas a grande distância que não possibilitam a determinação do formato. Aqui acontecem geralmente enganos e erros de interpretação.

CONTATO IMEDIATO DE 1º GRAU (CI-1):
Objeto observado a curta distância em que ficam evidentes detalhes físicos e ruídos.

CONTATO IMEDIATO DE 2º GRAU (CI-2):
Acontece quando um OVNI interfere no meio ambiente: Pousa e queima o solo, dá rasante sobre copa de árvores, interrompe o funcionamento de maquinas e energia elétrica.

CONTATO IMEDIATO DE 3º GRAU (CI-3):
Observação de tripulantes, dentro ou fora da nave, sem que haja comunicação.

CONTATO IMEDIATO DE 4º GRAU (CI-4):
Ocorre quando a observação do tripulante se segue de qualquer tipo de comunicação. Seja ela psiquica, física, por meio de aparelhos ou gestual.

CONTATO IMEDIATO DE 5º GRAU (CI-5):
Ocorre quando há o contato mais completo. Quando ocorre contato físico, com ou sem comunicações. Casos de abdução, quando a pessoa tem contato com o interior da nave, convidada ou não.

Referências:

(1) J. Allen Hynek, The UFO experience: A scientific enquiry (“La experiencia ovni: Una investigación científica”), 1972, ISBN 978-1-56924-782-2
(2) Jerome Clark, The UFO Book (“El libro de los OVNIs”), Visible Ink Press, Detroit, 1998
(3) Programa de televisión UFO hunters, capítulo Alien contact (“Cazadores de OVNIs: Contacto alienígena”), emitido originalmente en inglés por The History Channel el 23 de abril de 2008.
(4) «Close encounter» (em inglês). The Black Vault Encyclopedia Project. Consultado em 11 de agosto de 2011.
(5)Vallee, Jacques (1990). Confrontations – A Scientist’s Search for Alien Contact. EUA: Ballantines Books. p. 233-234. ISBN 978-0-3453-6453-1
https://pt.wikipedia.org/wiki/Encontro_imediato#Escala_de_Hynek

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *